Carregando…

Jigokudani Yaen Kōen: snow monkey (地獄谷野猿公苑)

Conhecido como “Snow Monkey Park”, Jigokudani Yaen Kōen é um lugar único no mundo, onde os macacos tomam banho de onsen (温泉), por causa do intenso frio da região. Os macacos aprenderam a se aquecer, imitando os humanos. O local recebe visitas de turistas de várias partes do mundo, principalmente para fotografar e filmar. E não é para menos; é possível fotografar a uma distância bem curta, macacos adultos, crianças e famílias inteiras. Tendo habilidade para fotografar e um pouco de sorte, é possível obter belos retratos dos macacos “nihonzaru” (ニホンザル), nativos do Japão (gênero / espécie macaca fuscata).

 

Por curiosidade, “Jigokudani Yaen Kōen” (地獄谷野猿公苑) significa “Parque dos Macacos Selvagens do Vale do Inferno”, em tradução direta. Sendo “jigoku” (地獄: inferno), “tani” (谷: vale), “ya” (野: selvagem), “en” (猿: macaco, na leitura chinesa de “saru”) e “kōen” (公苑: parque público). O nome “Enza Café” (veja mais adiante) não é de uma italiana; também tem a ver com macaco, que seria em kanji “en” (猿: macaco) e “za” (座: plataforma, assento, pedestal).

 

História de Jigokudani Yaen Kōen

O Jigokudani Yaen Kōen foi inaugurado em 1964. Na verdade, o parque não foi criado simplesmente para atrair turistas e alegrar os fotógrafos, ou apenas para atrair apreciadores de onsen (banhos termais). A história de Jigokudani Yaen Kōen é um pouco dramática e começa no altiplano Shiga Kōgen (志賀高原), uma gigantesca área de estações de ski, que fica na área central do Parque Nacional Jōshin Etsu Kōgen (上信越高原国立公園), na parte norte da província de Nagano. A estação foi palco dos Jogos Olímpicos de Inverno em 1998. A partir de 1952, muitas pistas de ski e teleféricos foram instalados no parque, com grandes desmatamentos. Isso causou um impacto ambiental muito grande, expulsando os macacos “nihonzaru” (Japanese macaque : 日本猿), pois diminuiu consideravelmente boa parte do seu habitat natural e consequente escassez de alimentos. Os macacos foram para a região Yamanouchi (山ノ内), nas montanhas que formam o “Vale do Inferno” Jigokudani (地獄谷) onde começou outro problema. Nessa região haviam muitas propriedades agrícolas e os macacos começaram a se alimentar de plantações e colheitas, especialmente maçãs. Os agricultores começaram então a caçar e exterminar os macacos. Outro problema era o onsen Kōrakukan (後楽館), de Jigokudani que fica na beira do rio que corta o vale. Os macacos iam buscar alimentos nesse estabelecimento e isso facilitava a entrada no banho – externo, o chamado “rotenburo” (露天風呂), causando problema de higiene, além de ser uma área muito pequena para humanos e macacos.

 

Voltando novamente na linha de tempo, em 1957, Sogo Hara, que foi funcionário da rede ferroviária Nagano Dentetsu (長野電鉄) estava caminhando pelo Jigokudani, quando encontrou os macacos. O vale ganhou este nome por causa dos vapores muito quentes que brotam do chão, um abrigo perfeito para os macacos que foram expulsos do habitat natural. Ele se maravilhou com os macacos e sabedor dos problemas, resolveu criar um parque para mantê-los longe dos sítios e fazendas e protegê-los dos agricultores, além de construir um banho exclusivo para os macacos. Hara também quis mostrar para um grande número de pessoas, esse grupo singular de primatas, de comportamento único no mundo. Então, em 1964, foi inaugurado o Jigokudani Yaen Kōen, o “Parque dos macacos selvagens do Vale do Inferno”. No início, para manter os macacos longe das propriedades agrícolas, Hara pensou em colocar uma cerca na área. Porém, além de barrar com o alto custo, ele pensou também em não tolher a liberdade dos macacos. Então teve a ideia de alimentá-los para mantê-los no local, o que tem dado certo até hoje. Não foi fácil acertar a alimentação; após muitas tentativas, encontraram a “fórmula” ideal. É uma ração baseada em cevada, soja e conforme a estação, também distribuem maçãs.

 

 

Fotógrafos se encantam

É bem provável que não há no resto do mundo, um lugar onde é possível fotografar macacos selvagens tão próximo e em tão grande quantidade. O fotógrafo Tomio Yamada também se encantou com os macacos e seu comportamento. Nos anos 1950 ele fez uma foto de macacos tomando banho (em Kōrakukan) e desde então começou a atrair muitos turistas para o onsen e o parque. Mas a foto que foi o gatilho para atrair turistas de todo o mundo, foi de um funcionário do parque – Toshio Hagiwara – que participou de um concurso fotográfico “Nature Best International Photocontext 2006” nos Estados Unidos e faturou o grande prêmio, com a foto “Snow monkey baby” (雪ザル赤ん坊).

 

Nihonzaru, snow monkey

O “japanese macaque” (nihonzaru) de nome binomial “macaca fuscata” é uma espécie nativa do Japão. Tem hábitos diurnos, vivem em grupo e tem uma hierarquia claramente definida. O grupo de Jigokudani Yaen Kōen tem atualmente, quatro líderes definidos. Pelas informações de 2017 mais velho já está próximo da “aposentadoria”; o segundo é uma espécie de “vice” que atua na ausência do líder nº 1. O terceiro é ainda muito jovem (17 anos), mas desafia o nº 2 para ser o próximo líder. E o 4º é o mais jovem de todos, com apenas 11 anos, um líder do futuro.

 

O parque é uma zona de proteção de vida selvagem; não há cercas separando os macacos das pessoas. Nunca encare um macaco, pois significa “comprar briga”. Aja sempre com naturalidade e calma, deixando os animais em paz. Nem pense em tocar neles. Embora estejam acostumados com humanos em grande quantidade, eles continuam sendo selvagens e livres. Não é permitido levar alimentos nem sacos plásticos.

 

Cuidados no parque

No final de outono, os macacos começam a descer das florestas nas montanhas para se aquecerem no onsen e receber comidas dos funcionários do parque. Mas é no inverno que juntam mais macacos e consequentemente, mais turistas. Como o local é praticamente selvagem, num espaço pequeno, é necessário tomar muito cuidado. A trilha até o parque é longa, cerca de 1.6 km a partir da entrada, é necessário ir bem preparado.

 

  • Vá com calçado apropriado, com “spikes” (pontas de metal antiderrapantes) na sola ou coloque um acessório com spikes, que cobre o solado inteiro.

 

  • Agasalhe-se bem, pois o frio é muito intenso. Leve também proteção para câmeras e filmadoras, pois pode nevar de uma hora para outra.

 

  • Proteja do esfriamento os pés, pescoço e mãos, principalmente os fotógrafos. Use meia grossa, cachecol, luvas de meio dedo etc.

 

  • Cuidado com a queda de massas grandes de neve das árvores da trilha.

 

  • Não leve tripé em hipótese alguma, pois além de ser praticamente inútil, pode machucar outras pessoas e até os animais.

 

  • Na trilha (estreita) e no parque costumam ter muitos turistas. Às vezes transitam mototriciclos de serviço, para transportar mantimentos e combustível. Cuidado para não causar/sofrer acidentes.

 

  • Não leve crianças muito pequenas, pois podem ficar mais expostos aos perigos.

 

  • Ao fotografar na beira do onsen, não fique muito tempo no mesmo lugar; ceda o lugar para outras pessoas também, pois todos têm direito.

 

  • Por fim, não se esqueça: lá não é zoológico; os macacos são livres e precisamos conviver pacificamente com eles!

 

Informações gerais e facilidades
Os ingressos custam ¥800 para adultos a partir de 18 anos e ¥400 para crianças de 6 a 17 anos; abaixo de 6 anos é gratuito, mas devem ser acompanhados de pais ou responsáveis. Após a reforma na sede do parque em 2016, infelizmente a lanchonete e máquinas de bebidas foram eliminadas, ficando apenas um salão confortável para descansar e assistir vídeos sobre o macacos. (dados de fevereiro de 2018)

 

Estacionamentos

Perto da entrada da trilha há um estacionamento gratuito do parque, mas é pequeno e muito disputado. Só se consegue vaga se chegar muito cedo. É mais fácil estacionar ao lado do ponto de ônibus, também gratuito, embora seja também muito disputado. Outra opção é o estacionamento perto de Kōrakukan, mas o acesso é pelo lado norte, sem a necessidade de pegar a trilha. Cobram diária. Informações: 0269-33-5733.

 

Souvenirs e equipamentos de segurança

Bem na entrada da trilha há uma loja (gift shop) com atendimento bilíngue, que aluga antiderrapantes com spikes para calçados, botas, blusões e até malas de viagem, além de vender cachecol, gorro, luvas, guarda chuva etc. Souvenirs como chaveiros, camisetas, molduras para fotos, todos com o tema “snow monkey” podem ser adquiridos lá.

  • Informações: 0269-38-1739 (em inglês).
  • Horário: das 9:00h às 17:00h, nunca fecha.

 

Restaurantes

  • O Enza Café fica a 2 minutos da entrada da trilha, com atendentes bilíngue e trilingue. Serve lamen, sushi etc. e serviço de café. É amplo, confortável e muito agradável. Conforme o horário está sempre lotado de turistas de várias partes do mundo.
  • Informações: 0269-38-1736
  • Horário de atendimento: das 9:30h às 17:00h.

 

  • O Hotarutei foi inaugurado em dezembro de 2017. É um restaurante tradicional japonês, cuja sede foi construída há 200 anos. O ponto central da culinária de Hotarutei é o arroz e ingredientes regionais.
  • Informações: 0296-38-0741.
  • Horário de atendimento: das 11:00h às 15:00h.

 

Acessos

O ponto de ônibus e a referência para quem vai de carro, é o Kanbayashi Onsen (上林温泉), que fica um pouco afastado da rodovia 292. Há um ponto de ônibus próprio para Jigokudani Yaen Kōen, na rodovia 292. Outra referência de lugar é o Shiga Kōgen Roman Museum (志賀高原ロマン美術館). O endereço de Jigokudani Yaen Kōen é 381-0401, Nagano ken, Shimo Takai gun, Yamanouchi chō, ōaza Hirao 6845 [〒381-0401 長野県下高井郡山ノ内町大字平穏 6845].
Acesso por trem e ônibus

Estes são os acessos desde Tokyo, Shin Osaka (via Nagoya) e Nagoya: ir até Nagano shi, estação Nagano (長野駅). A partir dessa estação, há estas opções:

 

  • Ir de trem até a estação Yudanaka Onsen (湯田中温泉) e pegar o ônibus até o ponto de ônibus em frente ao Kanbayashi Onsen. Andar até jigokudani.

 

  • Ônibus expresso para Shiga Kōgen e descer no ponto de Kanbayashi Onsen. Andar até jigokudani.

 

  • Para quem vem de Kanazawa ou Toyama, descer na estação IIyama (飯山駅), onde também sai um ônibus para Shiga Kōgen e descer no ponto de Kanbayashi Onsen. Andar até jigokudani.

 

  • Outra opção para quem vem de Kanazawa ou Toyama: seguir da estação Iiyama até a estação Nagano e seguir o mesmo procedimento das opções acima.

 

Acesso por carro
No inverno é obrigatório ir com pneus para neve e/ou usar corrente ou correia antiderrapantes. Os estacionamentos ficam lotados, é preferível chegar bem cedo para conseguir vaga. Obedeça as indicações feitas pelos funcionários que cuidam do trafego, que é muito intenso no inverno.

 

  • Pegar rodovia expressa até o I.C. (Interchange) Shinshū Nakano (信州中野IC) da rodovia expressa Jōshin Etsu Jidōshadō (上信越自動車道); seguir a rodovia 292 na direção leste, cerca de 8 km.

 

http://jigokudani-yaenkoen.co.jp/

Endereço

Endereço:

〒381-0401 Nagano ken, Shimo Takai gun, Yamanouchi chō, ōaza Hirao 6845 [長野県下高井郡山ノ内町大字平穏 6845]

Telefone: