Aprecie frutos do mar frescos

Aprecie frutos do mar frescos

Além das praias, Kanagawa é conhecida pela costa bem recortada, com inúmeros paredões, ilhas, praias e outras formações que geram paisagens que estão entre as mais belas do Japão. Mas o litoral oferece mais que isso. Mesmo se tornando uma província super urbanizada e com algumas das maiores cidades do país, Kanagawa ainda preserva suas origens e a pesca domina a paisagem de algumas localidades. Uma delas é Misaki, um bairro na cidade de Miura, bem na ponta da península do mesmo nome.
Não precisa muito para sentir o clima pesqueiro no local. Basta descer do ônibus no porto da cidade que a maior estrela dos barcos da região dá as caras. É o atum que, de tão valioso, é o mascote da área. Brasileiros que vêm pro Japão ficam incrédulos quando escutam que, aqui, quem reina nos restaurantes de sushi não é o salmão mas, sim, esse peixe do gênero Thunnus, um dos mais importantes do mundo, do ponto de vista da pesca comercial.

Misaki é um dos principais portos de desembarque de atum no Japão. Mesmo que boa parte das toneladas que chegam anualmente seja distribuída para outras localidades, é possível provar diversos pratos feitos com o peixe nos inúmeros restaurantes a ele dedicados na localidade. Aliás, é difícil encontrar algum lugar que sirva outra coisa no bairro. Portanto, se o atum não é a sua praia…

No sushi e no sashimi, o atum costuma ser servido em três cortes. O mais comum é chamado de akami, por conta de sua aparência vermelha forte, que lembra a carne de boi. O akami é o músculo do atum e, por isso, tem consistência firme e pouquíssima gordura. Corresponde à maior parte do corpo do animal e, por isso, tem o preço mais acessível entre os três cortes principais. Em contrapartida, a parte mais valiosa do animal é a mais próxima à pele, ou seja, a mais superficial. Ela é a barriga do atum, rica em gordura e conhecida como ootoro. Esse corte é extremamente macio e tem uma consistência amanteigada. Pelo sabor e pela escassez, é a parte mais nobre e cara do atum. Entre as duas fica o chutoro que, embora macio, é mais consistente que o ootoro por ter menos gordura. Uma boa opção é provar pratos que conjuguem os três cortes. É o que os japoneses chamam de “tabe-kurabe”, provar e comparar.

Ao descer no Porto de Misaki, o visitante vai encontrar diretamente o Urari Marché, um mercado de varejo com os peixes desembarcados no local, além de verduras e legumes produzidos na região. Aliás, a localidade é excelente para quem está em busca de vegetais de alta qualidade e chega a ser difícil sair de sacola vazia. Caminhando um pouco mais está o mercado de peixes no atacado que, no momento, é dividido em dois prédios: o mais novo; que é refrigerado e dedicado ao atum; e o mais velho para a comercialização dos demais peixes. O porto recebe entre 600 e 1000 atuns por dia e o leilão é feito entre 8:30 e 10 da manhã. Visitantes podem assistir o trabalho de uma espécie de mezanino, acima da área de vendas. Não é exatamente o melhor lugar mas é o que tem. Aos domingos, a cidade realiza o Misaki Asaichi, um mercado matutino, com pescado e outros produtos locais. É possível levar para casa mas, também, comer no local. Excelente!

A oferta de restaurantes em Misaki é enorme mas poucos são melhores em custo-benefício que o Sakana Ichiba Shokudo, que fica dentro do prédio mais antigo do mercado de peixes. O local foi aberto recentemente mas tem a cara dos restaurantes frequentados pelos trabalhadores do porto de outros mercados, como o antigo Tsukiji, de Tóquio. Com o teishoku (combinado com proteína, arroz, sopa de missô e tsukemono) na base dos ¥1500, é a melhor opção para provar os frutos do mar fresquinhos do mercado. Se você curte peixe cru, não deixe passar o Sashimi Teishoku. E se você não curte, aproveite os empanados. Tudo é delicioso.

Cenário de filme
Ir até Misaki e não visitar Jogashima é como ir à Roma e não ver o papa. Trata-se de uma pequena ilha bem na frente do porto da localidade, facilmente acessível de barco ou mesmo de ônibus. A ilha é montanhosa e uma trilha muito bem sinalizada leva de uma ponta a outra numa caminhada que não chega a 2 quilômetros, bem marcados pela existência de dois faróis. Na parte mais ocidental da ilha fica o Farol de Jogashima, que costuma ser o início da trilha para quem entra de barco. Entre o pequeno píer e este farol está o hotel Keikyu Jogashima, com um pequeno passeio e uma praia de rochas, onde costumam ficar muitos pescadores amadores.

Seguindo a trilha, o visitante sobe até o alto de um costão que dá para o mar aberto. Do alto é possível ver a paisagem mais conhecida da ilha, o Uma-no-se Domon, algo como “Caverna do Lombo do Cavalo”. Trata-se de um buraco em forma de arco feito pela erosão marinha numa pequena porção da costa e que lembra o dorso de um equino, como o próprio nome diz. Os japoneses acreditam que o local é um “power spot”, ou seja, um ponto para recarregar as baterias e receber boas energias. Seja ou não verdade, não tem como não apreciar a beleza do local.

Quem passa pela trilha não consegue deixar de notar a presença de pássaros que, de vez em quando, fazem vôos bem rasantes. São os biguás-japoneses, um animal bem comum nas áreas litorâneas do Japão, da China e da Península da Coreia. Se você gosta de observar pássaros, leve o seu binóculo e mire o alto.

Na parte oriental da ilha, fica o Parque de Jogashima, um espaço com boa infraestrutura para o visitante, com banheiros e pontos de observação. Descendo pela trilha, chega-se a outra praia de pedras escuras, local de descanso e de encontro com o Farol de Awazaki. Um excelente local para parar e observar a natureza e confirmar que, não há dúvidas, de que a província de Kanagawa é um dos lugares mais especiais do Japão.

Misaki
A estação mais próxima da localidade é Misakiguchi, um dos terminais da linha Keikyu. Para chegar até o porto, tome um ônibus na direção de Misaki-ko ou Jogashima e desembarque no ponto Misaki-ko. Para a ilha, siga no ônibus para Jogashima. O Farol de Awazaki fica próximo ao ponto Hakushuhimae. Já o Farol de Jogashima fica próximo ao ponto final, Jogashima.


Sakana Ichiba Shokudo
Kanagawa-ken Miura-shi Misaki 5-245-7
6:00 às 10:00 e de 11:00 às 14:30 (nos fins de semana, o restaurante fecha às 15:30)

fechado às quartas-feiras

Urari Marché
Kanagawa-ken Miura-shi Misaki 5-3-1
9 às 17 horas (exceto aos domingos em que o mercado abre às 7 da manhã)

Misaki Asaichi
Kanagawa-ken Miura-shi Misaki 5-3806
todos os domingos, de 5 às 9 da manhã