Previsão das Cerejeiras 2019

Previsão das Cerejeiras 2019

Abertura da flor / floração plena

Oizumi/Ota
27 de março / 5 de abril

Maebashi
30 de março / 5 de abril

Tóquio
23 de março / 4 de abril

Yokohama
26 de março / 4 de abril

Kawaguchiko
8 de abril / 15 de abril

Nagoya
22 de março / 3 de abril

Gifu
23 de março / 4 de abril

Hamamatsu
22 de março / 3 de abril

Kyoto
24 de março / 5 de abril

Osaka
26 de março / 5 de abril

Como as agências conseguem prever a floração das cerejeiras?

A temporada da sakura é um negócio bilionário e a previsão das floradas envolve ciência e tecnologia

Basta que as festividades de Ano Novo passem para que o Japão comece a ficar ansioso pelo próximo grande movimento do ano, a floração das cerejeiras. No final de janeiro, saem as primeiras previsões que vão sendo refinadas ao longo do mês de fevereiro. Prever o tempo já é, em si mesmo, uma tarefa complicada. Não adianta olhar somente para as condições de um local. É preciso conhecer os movimentos das massas de ar do planeta,  observar a temperatura dos oceanos, além de outros fatores. São muitas variáveis em ação para definir se amanhã será ou não um dia de sol. Graças ao avanço das tecnologias, em especial as dos satélites meteorológicos, erros grotescos de previsão do tempo são cada vez menos comuns. Mas e no caso das sakura? Como se pode saber quando uma árvore vai florir? Que informações são necessárias para chegar a bons resultados?

Levantar dados de diversas naturezas e entregar uma previsão acurada é o desafio que algumas agências meteorológicas do Japão tomaram para si nos últimos anos. A tarefa não é a fácil e a responsabilidade, maior ainda. Previsões de floração são utilizadas de forma massiva no Japão. Usando os dados divulgados, centenas de milhares de pessoas, dentro e fora do Japão, se organizam, por exemplo, para viajar. Além disso, dezenas de negócios dependem da floração das cerejeiras. É a época em que produtos sazonais são lançados, por exemplo. E colocar uma novidade na prateleira no momento certo é essencial.

Para a previsão, são coletados e analisados dados que vão desde as temperaturas até o estado físico das plantas. Isso sem contar, claro, todo o conhecimento já acumulado sobre a biologia das cerejeiras. Outonos e invernos com temperaturas muito altas, podem fazer com que as sakura demorem mais a aparecer. Acontece porque o frio é essencial no ciclo de vida da cerejeira. Por outro lado, se a temperatura sobe abruptamente no início da primavera, as flores desabrocham mais rápido. A análise de todas essas variáveis forma um dos montantes de dados que são levados em conta nas previsões.

Quem usa esse tipo de informação com frequência sabe que, além das datas gerais para cada cidade, são divulgados dados de locais de interesse específico, como parques e jardins. Esses dados requerem um pouco mais, digamos assim, da mão humana. Empresas como a Weathernews usam fotos enviadas pelos usuários de seus aplicativos para analisar o estado das cerejeiras em locais específicos. Ela criou, em 2004, o Sakura Project para receber informações diretamente de que está perto das cerejeiras, ou seja, nós mesmos. Cada usuário escolhe uma cerejeira e vai acompanhando seu desenvolvimento ao longo do tempo e envia imagens dos botões periodicamente para os cientistas da empresa. Com isso, a Weathernews acumulou mais de 2 milhões de informes enviados pelos usuários do sistema. Esses dados são usados para tornar a previsão ainda mais acurada. Mas isso não é o mais moderno em termos de tecnologia na área. Já tem empresa usando inteligência artificial para fazer previsões e logo logo poderemos dizer que você vai ter marcado um hanami com a ajuda de robôs.