Guia: Locais imperdíveis para apreciar Sakura

Guia: Locais imperdíveis para apreciar Sakura

Hana Yori Dango

Que as flores me desculpem, mas esse ditado japonês fala uma grande verdade: as grandes estrelas de um hanami são os comes e bebes que devem estar presentes em abundância na festinha. Em outras palavras, as sakura são apenas um pretexto para comer e, nesse caso, vamos combinar que nós, brasileiros, somos imbatíveis. Sabemos fazer uma farofada melhor que ninguém. Mas, claro, que queremos fazer as coisas da forma mais local possível. Então, para ter um hanami minimamente japonês, você não pode deixar faltar algumas coisas. Se liga na lista!

Lona
Não existe piquenique sem lona, não é mesmo? De um modo geral, não existem bancos ou cadeiras para todos nos parques e margens do rio. Então, o jeito é ser bem roots e usar o chão mesmo. Considere o número de convidados para que a sua lona não deixe ninguém de fora. Além disso, ela pode ser usada para demarcar o espaço ocupado pelo seu grupo. Então, quanto maior, melhor. Mas não abuse. O parque é de todos.

Comidas
Se a lona é a base de um hanami, a comida é a essência. E é nesse quesito que um bom hanami se destaca de um mais ou menos. Quanto melhor a comida, mais inesquecível será o piquenique. Então, se você quer organizar um hanami épico e entrar para a história dos seus amigos e amigas, esqueça biscoitos e outros belisquetes de saquinho. Traga comidas de verdade. Karaage, por exemplo, sempre faz sucesso. Se for feito em casa, você ficará para sempre na memória. Mas procure trazer coisas fáceis de comer, de preferência que não precise de talheres. Nesse quesito, nossas coxinhas, quibes e pães de queijo são imbatíveis. Graças a esses salgadinhos, somos mestres em sempre deixar uma mão livre para o próximo item.

Bebidas
Se a comida é a essência de um hanami, a bebida é o auge! Sim, porque ninguém vai ficar horas debaixo das árvores, numa época em que ainda não faz aquele calorzinho gostoso, só enchendo a pança. A galera vai precisar ser regada com alguma coisa. Se o seu piquenique é de adultos, leve álcool em boa quantidade. Cerveja e drinks enlatados fazem muito sucesso. Dependendo do grupo, vinho e espumante também agradam. Mas não esqueça de ter água, chá e sucos e tenha cautela com os refris. Já não bastam as coxinhas e quibes no quesito engorda? Caso existam crianças entre os convidados, tenha mais cuidado com o álcool. Afinal, fica muito feio dar vexame na frente dos filhos, não é mesmo? Ah, mesmo não estando exatamente quente, vale a pena levar as bebidinhas num isopor. Somos brasileiros e cerveja quente, definitivamente, não é o nosso forte.

Copos, pratos e talheres descartáveis
Sim, é complicado porque estamos numa época em que produzir lixo já não é mais sinal de status. Pelo contrário, a onda agora é gerar o mínimo possível de rejeitos e reciclar tudo o que puder. Ainda assim, é compreensível que boa parte das comidas acabe sendo servida em pratinhos de papel. Por isso, não se esqueça desse detalhe. Copos, prefira os de plástico mas, para evitar desperdício, limite a quantidade. E leve uma caneta para cada um colocar seu nome. Além de evitar o uso em excesso, fica mais fácil encontrar o dono ou a dona do copo caso a pessoa “esqueça” o objeto no chão na hora da limpeza.

Lenços umedecidos e guardanapo
Num hanami, se sujar é muito fácil. Primeiro porque fica todo mundo meio sem jeito sentado na lona. Então, vai ter comida caindo aqui e ali, sim. Mas, a situação piora depois de dois ou três gorós. Tem gente que fica com o equilíbrio comprometido e começa a derrubar tudo. Um horror! Nessas horas, os lenços umedecidos ajudam muito. Eles mantêm a higiene do espaço e da galera.

Sacos de lixo
Bem, óbvio que vai sobrar um monte de coisa e cada um é responsável pelo lixo que produz. Portanto, leve alguns sacos de lixo e faça a separação dos resíduos de acordo com a classificação exigida na cidade. Verifique as regras para saber se o local permite deixar o lixo ou se você precisa levar de volta para casa.

Guia de Locais


Akagi Minami Senbonzakura Festival
6 a 21 de abril
Gunma-ken Maebashi-shi Naegashima-machi 2511-2

Localizado em Maebashi, este parque está na lista dos 100 melhores lugares para apreciar as cerejeiras no Japão. Uma alameda de 1,3 quilômetros e com cerca de mil cerejeiras recebe os milhares de visitantes que vão apreciar as flores no local. Além das sakura, fazem parte do festival uma série de performances e espetáculos de artistas de rua. Também é uma oportunidade para provar e comprar produtos locais. À noite, a alameda é iluminada, dando ainda mais charme ao lugar.

 

Parque das Ruínas do Castelo de Takasaki
29 de março a 4 de abril
Gunma-ken Takasaki-shi Takasaki-machi Joseki Koen

Construído em 1598 por Ii Naomasa, um dos homens fortes do xogum Tokugawa Ieyasu, o Castelo de Takasaki tinha a função de proteger o entroncamento de duas rotas importantes da época: a Nakasendo e a Mikuni Kaido. Renovado durante boa parte do século 17, o castelo ficou ainda mais poderoso e entrou em definitivo para a história quando o xogum Tokugawa Iemitsu exilou seu irmão mais novo, Tadanaga, em Takasaki e ordenou que ele cometesse o seppuku, o suicídio ritual, dentro do castelo, em dezembro de 1633. Pouco restou dos momentos mais “movimentados” da época mas partes originais da construção do século 17 foram preservadas. Além disso, cerca de 400 pés de cerejeira florescem no local, formando um belo espetáculo que une história e natureza.

 

 

Rio Meguro
23 e 31 de março
Proximidades da estação de Nakameguro, Tóquio

Sem dúvida, um dos locais mais populares para a observação das cerejeiras na capital japonesa. Cerca de 800 cerejeiras estão plantadas ao longo de um caminho de quatro quilômetros às margens do Rio Meguro. Além das cerejeiras, os restaurantes locais colocam suas barracas para fora e imagens de tacinhas de espumante rosa com flores e o rio ao fundo já viraram marca registrada do local nas redes sociais. Sim, está sempre lotado mas não deixa de ser interessante, em especial para quem gosta de hype e de ver e ser visto. Ah, não saia correndo. A iluminação noturna é um espetáculo!

 

 

Parque Sumida
25 de março a 1 de abril
Tokyo-to Taito-ku Asakusa 7-1

Não tem coisa mais toquiota do que fazer hanami às margens do Rio Sumida. Já faz alguns séculos que o local atrai gente da região com suas mais de 600 cerejeiras. Tudo começou quando o xogum Tokugawa Ietsuna (1641-1680) plantou os primeiros pés por ali. Algumas décadas depois, Tokugawa Yoshimune completou a obra, ornando com cerejeiras boa parte da área hoje formada pelo parque. Existem árvores e espaço dos dois lados do rio. Então, aproveite bem. Fica bem pertinho do Templo Sensoji, ideal para quem quer dar outros rolês bacanas durante a visita.

 

Castelo de Inuyama
27 de março a 3 de abril
Aichi-ken Inuyama-shi Inuyama Kita-koken 65-2

Um dos poucos do Japão preservados na sua forma original, o Castelo de Inuyama foi construído em 1537 e é um dos mais antigos do Japão. Localizado numa pequena colina às margens do Rio Kiso, a construção oferece a oportunidade de observar do alto as cerejeiras plantadas ao longo do rio. A entrada custa ¥500. Depois da vista privilegiada, nada impede que você desça até o leito e faça, também, o seu próprio hanami.

 

 

Caminho do Filósofo
27 de março a 3 de abril

Ligando os templos Ginkakuji e Nanzenji, o Caminho do Filósofo é uma agradável rota à beira de um canal no distrito de Higashiyama, em Kyoto. O passeio foi popularizado pelo pensador Kitaro Nishida que costumava seguir por ele no trajeto entre a sua casa e a universidade onde lecionava. O filósofo dizia que costumava meditar durante a caminhada. Com dois quilômetros de extensão, a rota é cheia de cerejeiras e se tornou um dos pontos mais populares de Kyoto para a prática do hanami. Não deixe de parar em alguns dos charmosos cafés da área. Tem um monte por ali. Além disso, não é má ideia visitar os dois templos que ficam nas pontas do caminho. Tanto o Ginkakuji quanto o Nanzenji são especiais, mesmo dentro de uma cidade cheia de belos templos como Kyoto. O Ginkakuji, ou Pavilhão Prateado, é, digamos assim, o irmão mais humilde do Kinkakuji, este revestido em ouro. O templo reflete uma época de mudanças no Japão, quando a cultura de Kyoto ganha força e consistência. Seu jardim de pedras é um dos mais belos da antiga capital japonesa. Já o Nanzenji tem um dos maiores portais de templos do Japão, um dos poucos que pode ser visto por dentro. Além disso, um antigo aqueduto fica no terreno do espaço sagrado. Ele faz parte de um sistema de canais que levava água do Lago Biwa até Kyoto e é uma das obras de engenharia mais impressionantes do Período Meiji.

 

 

Canal de Okazaki
28 de março a 7 de abril
Kyoto-fu Kyoto-shi Saikyo-ku Nanzenji Kusagawacho

Como o aqueduto do Templo Nanzenji, o Canal de Okazaki faz parte de um sistema de canais construído no século 19 para a circulação de mercadorias e o abastecimento de água. Margeado por cerejeiras, o canal continua sendo navegável. O  jikkokubune é um barquinhos de assoalho reto como os que eram usados em Kyoto no passado. O passeio de apreciação das cerejeiras pelo canal dura cerca de 25 minutos e custa ¥1200 (adultos), ¥600 (6 a 11 anos) e ¥300 (3 a 5 anos). No entanto, para ter o privilégio de ver as sakura de dentro do barco é preciso ser rápido. Esse é um dos passeios mais requisitados na temporada de floração das cerejeiras da antiga capital japonesa. Para fazer sua reserva, dê uma busca na internet por “Okazaki Jikkokubune” e encontre o site do serviço. Não deixe para a última hora.


Castelo de Osaka
28 de março a 3 de abril
Osaka-fu Osaka-shi Chuo-ku Osakajo 1-1

A história do Castelo de Osaka começa em 1583 e a construção passou por vários apuros até ter sido completamente destruída por um incêndio em 1655. Reconstruído nos anos 1930, ele sobreviveu aos ataques da Segunda Guerra Mundial e é um dos pontos turísticos mais visitados de Osaka. No parque que ocupa seu entorno existem 4000 cerejeiras que oferecem um belo espetáculo na sua floração. Se você quiser fazer um piquenique, o local  mais adequado é o Parque Nishinomaru, com sua bela vista para a torre principal do castelo e a iluminação noturna.

 

 

Kawaguchiko
8 a 15 de abril
Diversos locais ao redor do lago

O Kawaguchiko é o lago com a mais bela vista do Monte Fuji e, durante a floração das cerejeiras, é possível apreciar os dois símbolos do Japão ao mesmo tempo. A área com mais árvores é a margem norte do lago, em especial o passeio perto do Kawaguchiko Music Forest. As fotos mais populares são aquelas com as árvores floridas com o Fuji ao fundo e podem ser feitas na Península de Ubuyagasaki, perto da Ponte Kawaguchiko Ohashi. Ali, há um pequeno grupo de cerejeiras cujos galhos caem justamente na frente da montanha, formando a bela paisagem. Mas não espere facilidade. A área é lotada de fotógrafos amadores e profissionais tentando garantir a imagem do dia. Existem cerejeiras também perto da estação do Teleférico Kachi Kachi, inclusive pés da espécie chorona que fazem um belo contraste com a paisagem dos ryokan e a montanha.